Evangelismo Mundial

Terça, 26 de Novembro de 2013

A igreja precisa reunir urgentemente todos os recursos disponíveis para cumprir o seu chamado. Assim como Noé disponibilizou todas as suas economias, forças e tempo para construir a arca que livraria a sua família da grande destruição do dilúvio, nós também temos que nos despertar e nos mobilizarmos em prol da evangelização das nações.

Temos na atualidade todos os recursos tecnológicos no campo das comunicações para conseguir fazer este trabalho num pequeno espaço de tempo. Podemos usar da internet para divulgar em tempo real a palavra de Deus e testemunhar suas maravilhas, como também a comunicação nos veículos de massa como TV, rádio, telefonia, satélites, entre outros.

Mas, sem o poder do Espírito Santo os nossos resultados serão frustrantes. Precisamos aliar os recursos financeiros, tecnológicos e missionários, ao poder do Espírito Santo.



Ficamos deslumbrados quando estudamos sobre os grandes evangelistas. Eles conseguiram grandes feitos ao descobrir o poder de conversão que o evangelho tem ao ser pregado no poder do Espírito Santo. Jonh Wesley foi responsável pelo episódio chamado o grande avivamento de 1739. Ele tornou-se bacharel em Teologia em 1724, e Doutor em 1727. Motivado pela visão missionária foi evangelizar os EUA em 1735 e retornou em 1738, convicto que precisava se converter. Como? O grande Jonh Wesley voltou derrotado do campo missionário? É o que podemos observar em sua biografia. Ele foi ao campo missionário repleto de conhecimento teológico, mas não logrou êxito. No ano novo de 1739, numa vigília, precisamente às 3:00h, o poder de Deus caiu fortemente sobre a sua vida. Era um avivamento espiritual prometido pelo Senhor: “...mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra. At 1:8”. Em 45 dias multidões se convertiam, totalizando 20 mil almas que se entregaram ao Senhor Jesus. Observavam-se pessoas agonizando e suplicando perdão pelos seus pecados. Ao receberem o perdão dos seus pecados se convertiam em grande número ao mesmo tempo. Estima-se que Jonh Wesley alcançou a conversão de 120 mil pessoas durante o seu ministério na Inglaterra e nos EUA. A sua frase mais célebre foi: “Dai-me cem homens que nada temam senão o pecado, e que nada desejam senão a Deus, e eu abalarei o mundo”

O episódio de Jonh Wesley retrata perfeitamente como a igreja cristã tem se preparado mal para o campo missionário. Há ainda a visão de que uma boa formação teológica, um bom caráter cristão do missionário, recursos financeiros e uma boa estratégia evangelística são suficientes para que a obra missionária seja realizada. Temos que analisar as escrituras sagradas e compreender como Jesus fez e quais princípios ele determinou para que a igreja também cumprisse e realizasse esta missão eficientemente.

Jesus determinou que os religiosos, guardiães da tradição judia, os saduceus, cometiam dois erros graves no ensino e na pregação da palavra de Deus. “Respondeu-lhes Jesus: Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus. Mt 22:29.” Jesus apontou que deveríamos possuir o conhecimento profundo da palavra de Deus e também o poder de Deus, e que a falta de um destes era um grave erro.

Temos que estudar a palavra de Deus diariamente para pregá-la. É condição indispensável para que o obreiro possa sair ao campo missionário a sua preparação e capacitação no estudo da palavra de Deus. Jesus nos orientou a fazermos discípulos em todas as nações. Ele estabeleceu um método de formação missionária chamado: discipulado. Não vemos outra forma de preparação nos evangelhos. Os discípulos conviviam diariamente com o Mestre, aprendendo por exemplos práticos da vida, recebendo os ensinamentos, e sendo treinados a agirem conforme o seu Mestre. Eles devem ser ensinados pelo exemplo de vida de seus pastores e mestres. Não é apenas um ensino teológico, intelectual, mas, sobretudo, comportamental. Ou seja, o testemunho que os pastores e mestres darão aos novos convertidos será mais forte que as palavras que eles falarem. No exército há um ditado que diz: “A palavra convence, mas o exemplo arrasta”. Como podemos dizer que é importante ter uma vida devocional diária de oração e leitura da palavra, se nós mesmos não mostramos e damos testemunho de como se faz? A fé sem obras é morta. E todo aquele que houve as palavras de Deus e não as pratica é insensato (Mt 7: 24-27). Jesus deu o excelente exemplo aos seus discípulos em todas as áreas, por isso Ele foi o melhor discipulador. Os seus discípulos tornaram-se líderes que impactaram toda aquela geração.

Os tempos modernos trazem mudanças nos relacionamentos pela escassez de tempo disponível para estabelecermos laços de convivência construtivos. Como temos pouco tempo vago, terceirizamos nossa tarefa de educar e transferir valores familiares aos filhos para os professores das escolas. Tem sido freqüente em nossa sociedade de mega cidades, os pais somente se relacionarem com os filhos nos finais de semana, quando possível. São tantas responsabilidades no trabalho, na Universidade, na Igreja, nos negócios, que sobra pouco em nenhum tempo de qualidade para a formação dos filhos. Assim transferimos a responsabilidade da educação de nossos filhos aos professores, que pouco tempo também dispensam a cada aluno individualmente. Somos uma geração solitária, carente e sem referencial.

Assim também a igreja tem formado escolas de ensino da palavra ou faculdades de teologia, mas tem negligenciado a comunhão e a formação de lideres pelo discipulado. Talvez seja mais fácil e produtivo formar-se em quatro ou cinco anos dezenas de líderes em faculdades com um bom conhecimento teológico, mas com pouca maturidade espiritual e comunhão com o Espírito Santo. Depois de uma graduação acadêmica são enviados ao campo os pastores profissionais para o exercício ministerial, muitas vezes sem a devida confirmação do Senhor quanto ao seu chamado missionário.

A questão torna-se mais dramática no segundo quesito: o conhecimento do poder de Deus. Temos uma noção teórica da presença de Deus, e raras experiências pessoais com o Senhor. Há alguns teóricos que não têm mais fé que isto possa mais acontecer. Chegam a defender a idéia de que a manifestação da presença de Deus e do poder do Espírito Santo fora apenas para a geração da igreja primitiva. Precisamos somente obedecer às ordens de Jesus que determinou que os discípulos permanecessem na cidade até que do alto fossem revestidos de poder (Lc 24:49). Entendo que Jesus nos orientou que deveremos ir ao campo missionário apenas quando estivermos cheios do Espírito Santo e revestidos de poder para que possamos testemunhar e ganhar vidas para o seu Reino, pela demonstração de poder, sinais, curas e milagres, em nosso lar, igreja, cidade e até os COFINS da terra.At 1:8

A pregação da palavra de Deus, da letra, do logos, ou das leis espirituais contidas na bíblia sagrada pode matar em vez de gerar vida. Porém quando a palavra de Deus é pregada no poder do Espírito Santo ela gera vida. (2 Co 3:6).

Jesus Cristo iniciou seu ministério sacerdotal após consagra-se 40 dias em jejum e oração no deserto. Depois disso, ele fora revestido de poder e percorria toda a Galiléia, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando toda sorte de doenças e enfermidades entre o povo (Mt 4:23). Em pouco tempo as multidões o acompanhava onde quer que fosse. Milhares de pessoas eram salvas, curadas e libertas, pois Jesus estava revestido do poder do alto. Ele não fundamentava a sua pregação apenas no conhecimento da palavra, mas na demonstração de poder.

Assim ele demonstrou que a igreja deve cumprir três funções principais: 1. Ensino da palavra de Deus; 2. Evangelização pela proclamação das boas novas do Reino de Deus; 3. Demonstração de poder.

Se a igreja buscasse o equilíbrio entre estes dois pilares, o conhecimento da palavra e do poder de Deus, certamente a nossa missão já estaria cumprida. A igreja não foi concebida por Deus para viver de experiência em experiência com o Espírito Santo, mas para ser possuída pelo Espírito Santo e fazer o que o Pai determinar.

As demonstrações de poder consistem em vivermos um evangelho vivo e poderoso onde os sinais acontecem. Em Marcos 16:17-18, Jesus afirma que estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal. Se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados. Estes sinais não eram apenas herança da geração de Atos dos Apóstolos, mas é uma benção que está a nossa disposição para o crescimento e edificação do Reino de Deus.

E acontecerá nos últimos dias , diz o Senhor, que derramarei do meu Espírito sobre toda a carne... At. 2:17

A glória de Deus encherá toda a terra, assim como as águas cobrem o mar. E quando tivermos homens e mulheres dispostos a se consagrarem até tocarem na glória de Deus, e receberem o poder dos altos céus, e utilizarem os recursos que nossa época dispõe em transportes e comunicações, toda a terra será evangelizada rapidamente pelo poder do Espírito Santo.

Testemunho completo do avivamento dos Prs Cordeiro

Canal Pastor Nelson Cordeiro
Música Destaque

Rio de Fogo
Ministério de Adoração do Avivamento


Um rio de fogo está fluindo
De Tua presença está vindo
Minha alma está ardendo
Por Tua glória meu SENHOR

Minha alma está sedenta
Meu espírito faminto
Minha carne anela
Tua glória e Tua unção

Há uma chama
Em mim ardendo
Paixão por Tua presença
Que não se acabe este momento
Debaixo da Glória do meu DEUS

Meu coração por Ti batendo
Teu fogo está vindo
Minha alma por Ti clama
É tua glória meu SENHOR

Há uma chama
Em mim ardendo
Paixão por Tua presença
Que não se acabe este momento
Debaixo da Glória do meu DEUS

Doações

SITE MAP



Home
Nossa História
Agenda de Eventos
Cultos
Álbuns de Fotos
Videos
Entre em Contato

SIGA NOS



Facebook
Youtube

VISITE TAMBÉM



Centro Mundial de Avivamento
Pastores Ortega

VISITE NOS